sexta-feira, 1 de abril de 2011

Cabaret VI

Quanto tempo que não te via... Tinha esquecido como era te observar, mesmo que de longe, sem sequer intervir...


Na última vez, vi em teu olhar uma tristeza e certa preocupação, um turbilhão de confusões exigindo decisões...


Mesmo sabendo que não cabia a mim a solução, não cabia a mim...


E apesar das raivas que já senti, te olhar hoje é relembrar dos tempos áureos do cabaret, onde a única raiva que eu tinha era de me despedir e as vezes, despir meus mais secretos sentimentos.

E nesse louco strep-tease de roupas, sapatos e acessório, todos em formas de palavras, me pergunto se tudo não fazia parte apenas desse jogo traiçoeiro que perdi. Pensei que era Poker e entrei blefando, não sentindo, não ligando, não gostando e até mesmo não acreditando...

E como diz o ditado azar no jogo, sorte no amor, mas se não era amor, era jogo, tenho azar em dobro?

Sinceramente eu não sei, só sei que virei a mesa e me entreguei.

Me dei,
Me entreguei,
Te adorei,
Aproveitei
E acreditei. Acreditei não, ainda acredito e me nego duvidar.

Mesmo que do jogo das palavras, hoje só reste silêncio e constrangimento, ainda relembro saudosa, te esperando de volta no meu cabaret, para mais uma partida, quem sabe ainda nessa mesmo vida...

2 comentários:

TanK disse...

O jogo entre participantes conhecidos tem possibilidades maiores de acontecer, quanto a se entregar e aproveitar só posso dizer que jogo para valer a pena tem que ser vividoo mais intensamente possivel em todas as suas emoções e sensações e lembre da musica " o que eu ganho e o que eu perco ninguem precisa saber ", saudosa é e sempre será a vida, graças a essa mania de só dar valor no que ja foi perdido, que ja acabou. mas PRA FRENTE É QUE SE ANDA e que se vive, se o passado foi bom o futuro pode ser melhor depende unica e exclusivamente de o que vc esta fazendo no presente para este futuro.

Diego Oliveira disse...

Estou ansioso para ver a continuação desses pensamentos. Ah! se o mundo fosse mais florido com contos e versos como esse. Parabéns