sexta-feira, 11 de março de 2011

Cabaret IV

E aqui essas paredes, salas e quartos camuflam, escondem, tantas paixões proibidas. É impossível andar pelos corredores e não ouvir as gargalhadas descontraídas e apaixonadas...

Aqui homens libertam a imaginação e mulheres frustradas se rebelam...

E hoje na escadaria, memórias me domaram e virei personagem da tua história. O típico caso de rádio-novela, o interesse quando não é mútuo, tem o gostinho da conquista e é assim que começa, uma gentileza ignorada, uma ajuda prestada, um reconhecimento agradecido e nesse reconhecimento surge a semelhança com outra história de dois outros corpos.

A semelhança assusta e atrai, um certo ar de perigo, parece aflorar o desejo, que sequer existia. Brincadeiras e pudores se misturam e se anulam e sobra só a curiosidade.

Como é que vai ser?

A incerteza instiga, agonia e sufoca e tudo se resolve com uma provocação e ah, aquele beijo...

Chega a intimidade e tudo que é alheio e negativo parece não importar, mas contar com amizades ajuda a preservar. Eu, você e tudo vira rotina, cotidiano conquistando partes privadas, conversas demoradas, eu, você e a sua namorada?

É ai que lasca!

2 comentários:

Rodrigo disse...

eu,vc e sua namorada..........e agora josé.beijos.

Diego Oliveira disse...

Belissimo texto. concordo com o Rodrigo, e agora josé?