sexta-feira, 15 de julho de 2011

Cabaret VIII

Cabaret e a carta ao Amante

Tinha no meu corpo o teu corpo colado ao meu

Tinha o meu cheiro misturado ao teu

Tinha o meu desejo saciado no teu

Tinha a tua procura encerrada na minha chegada

Tinha no meu caminho a tua casa

Tinha no meu olhar a tua risada

Tinha no meu carinho a tua paz

E que paz era aquela?! Tu ficavas sereno, calado, relaxado

E eu ali tentando te decifrar, como um quebra cabeça gigante

E o resto...

Resto que não to conseguindo transformar em palavras

Guardo no peito como anseio do desejo....

2 comentários:

Diego Oliveira disse...

Nossa... não esquece de transformar isso tudo em um livro. To gostando muito, bjs

amazonafrica disse...

....he he he